Semana de Quatro Dias – Vamos Experimentar?

7
Partilhas
31
Visualizações

Em fevereiro, o governo francês relançou a ideia de uma semana mais curta, principalmente para agradara  sindicatos e empregados no meio do conflito do atraso na idade da reforma:  “Acredito que muitos franceses hoje aspiram a trabalhar de maneira diferente “, disse Gabriel Attal, ministro delegado encarregado das contas públicas, nas páginas do L’Opinion . A semana de 35 horas em quatro dias (…) significa menos tempo gasto em transporte, menos stresse e, finalmente, mais bem-estar no trabalho. “ Enquanto quase metade das empresas tem dificuldade de recrutamento, essa ideia também é considerada pelo executivo como uma alavanca de atractividade.

Essa medida não é formalmente proibida: desde as portarias Macron de 2017, os ramos profissionais podem organizar o tempo de trabalho como quiserem, por meio de convenções coletivas. Eles podem, portanto, optar pelo estabelecimento de uma semana de quatro dias. Em junho de 2022, 35% dos empregadores estavam considerando isso, de acordo com uma pesquisa da Robert Half. Em Portugal também já há experiências pioneiras em algumas empresas.

Mais e mais empresas estão testando a ideia lançando a experiência. E a primeira dificuldade está nas nove horas diárias para trabalhar apenas quatro dias! “As jornadas de trabalho de nove horas são muito restritivas, principalmente para os pais que querem levar e buscar seus filhos na escola” , analisa Anne-Sophie Rousseau, vice-diretora da Urssaf Picardie: “Nem todos os funcionários têm a ganhar com o prolongamento da jornada de trabalho ”, acrescenta Stéphane Carcillo, economista da OCDE.

Do ponto de vista da empresa, o principal travão reside no local de reorganização que a implementação do dispositivo supõe, estima o economista. “É ainda mais complicado para as PME e para quem tem de prestar serviço ao cliente ”, salienta. Quando você não pode fechar a loja, e se os poucos funcionários que você tem faltarem mais um dia? 

 

—————

As 35 horas, uma reforma polémica

Defendida como marco do progresso social, a redução da jornada de trabalho para 35 horas foi mencionada pela primeira vez no programa eleitoral de François Mitterrand em 1981. A reforma foi atualizada por Martine Aubry, ministra do Trabalho e da solidariedade do governo de Lionel Jospin em 1998 .

Tanto pela direita política quanto pelos empregadores, a transição para 35 horas semanais é vista como uma medida muito restritiva para as empresas. De 2000 a 2017, meia dúzia de legislações tentarão tornar a lei Aubry mais flexível, por exemplo, elevando o teto para horas extras e isentando-as de impostos

Texto original em https://sociedadejusta.pt/

Artigo Seguinte

Bem-vindo de volta!

Login na conta

Recuperar Password

Por favor, digite seu nome de utilizador ou endereço de e-mail para redefinir a password.